Caçando emoções, ou não

Oi gente! Na verdade não sei bem qual é o foco do post de hoje, talvez seja apenas um desabafo.



Final de semana assisti a um filme chamado Caçadores de Emoção com Keanu Reeves e Patrick Swayze (estou na onda de rever clássicos da sessão da tarde), gostei bastante do filme, ele era um pouco louco e os personagens viviam todas as emoções no limite. Coisa que não fazemos, coisa que não se vê com frequência no dia-a-dia, a maioria de nós está tão acomodado cursando o que não gosta, no trabalho que o deixa infeliz, na relação por falta de opção ou por medo de ficar sozinha que acaba contendo suas emoções, essas mesmas que nos distinguem como seres humanos.

Então eu comecei a reavaliar a minha própria vida, hoje eu tenho 23 anos e minha principal incógnita é se realmente estou feliz com as escolhas que fiz até agora. Pela dificuldade de levantar de manhã para ir ao trabalho e por passar o dia pensando em voltar para casa, posso concluir que não estou 100%. Tá eu sei que felicidade e tristeza tem seus momentos e ambos não duram para sempre, mas me parece que o curso que minha vida está tomando não está me deixando satisfeita. Estou tão envolvida com os estudos e o trabalho, que parece que essas duas coisas estão fazendo com que me distancie das pessoas que amo e das coisas que me fazem feliz. O que mais me assusta é ver pessoas que vivem assim, conviver com pessoas assim e sem querer me ver assim no futuro. Eu tenho fome de vida e de coisas que propiciem meu crescimento interno. Mas acredito que isso não se dá apenas com a cara enfiada nos livros, conhecer pessoas, lugares, culturas, viver experiências nos ensina muito mais do que pode estar nos livros (gente, só para constar eu amo ler, mas talvez nem tanto somente leituras relacionadas ao meu trabalho). Não almejo ser uma economista de sucesso, nem mesmo construir castelos aqui, meu desejo é viver, de maneira plena e intensa.

Mas enquanto eu não tenho coragem de largar tudo para ir vender minha arte na praia, continuo aqui compartilhando com vocês meus medos e inseguranças. E deixo essa música, que diz muito sobre meu estado de espirito nesse momento.



"No man can contend with her forces
yet she is so fragile
shes got countless brave white horses
in her arms Im just a child"

Beijos, Fran.

4 comentários:

  1. Nossa .. pode parecer estranho mas estou passando por tudo dito por você no texto. Estou quase acabando uma faculdade e percebi que não é o que quero pra minha vida, pois durante todos os 4 anos e meio do curso fiz estágios e sempre me desgastei muito ... aquela vontade de fazer tudo diferente...


    Parabéns pelo texto.

    www.maisfeminice.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dje sei com é, a gente faz tanta coisa ao mesmo tempo que quando se dá conta que não é bem isso que queremos, parece difícil mudar e fazer diferente. Mas a gente consegue, vou torcer por você!

      E obrigada! :))

      Excluir
  2. Fran, minha grande amiga! Minha alma gêmea! Hahaha
    Eu compartilho sobre os mesmos questionamentos sobre a vida e também sobre a sociedade! Não sei explicar, mas me parece uma sensação de acordar no meio do escuro e não saber para onde ir e encontrar a luz!
    E em meio a esses devaneios da mente, sempre me encontro quando penso que amar a mim mesma é uma encantadora aventura, e talvez seja o único prazer que pode durar eternamente! Não me pode ser tirado e nem influenciado por outras pessoas, depende apenas de mim! E é o que estou fazendo, não estou no emprego que desejo, não tenho o corpo mais bonito, não tenho bens materiais, não tenho uma carreira de sucesso, não viajo o mundo como eu gostaria, não vejo todas as pessoas que amo, mas ao pensar que tenho uma saúde perfeita 95% do meu tempo, tenho um lar e uma família que me apoia, tenho fé, tenho sonhos e esperança, percebo que tenho mais do que muitos sonham em ter! E meu conselho diário a mim mesma é acreditar em Deus, os planos Dele são maiores do que os meus, e me amar um pouco mais do que ontem!
    Parabéns amiga, pelo texto bem escrito! Você possui um dom de escrever e refletir sobre assuntos tão simples mas que perdem sua importância com a sociedade bizarra que estamos nos tornando! Aproveite esse dom para iluminar pessoas e desabafar, nos faz falta um desabafo amigo, ai percebemos que não somos os únicos e nos sentimos confortados de alguma forma!

    ResponderExcluir
  3. Oi Fran...realmente tem momentos que refletimos bastante sobre tudo que aconteceu e o que estamos vivendo, faz parte essas reflexões e nos ajudam a nos redirecionar.
    Beijos.
    Blog GuriasGata

    ResponderExcluir