Como ter uma vida normal sendo Louca

Olá pessoal! Tudo certo com vocês? Passando para compartilhar com vocês a resenha de um livro que li recentemente, mas hoje, a resenha será em vídeo. Outra coisa, o áudio ainda não está 100%, mas adivinhem, encomendei meu microfono, possivelmente nos próximos vídeos vocês poderão me ouvir super bem.Tô me puxando para tentar melhorar para vocês, alias, tô estudando bastante. Agora com a facul na reta final, estava até pensando em fazer mestrado na área de comunicação no próximo ano. Mas isso é assunto para um outro post! :)

O livro é cheio de ilustrações, bem criativas e espirituosas, que quando tiver tempo ainda quero pinta-las. :)


Confiram o vídeo! E se estiver muito ruim, me puxem as orelhas, lembrando que, pode haver alguns spoilers. :)


No mais, quero deseja uma ótima semana a vocês! Grande beijo, Fran.

Oxford: dicas de como usar

Oi pessoal! Tudo certo com vocês? Como falei em posts anteriores, toda vez que a lojinha Delírios Cotidianos Digital incluir alguma marca nova em seu mailing de produtos, irei trazer aqui para o blog. Recentemente fechamos um pedido com a Quiz Calçados, que já faz tempo que venho acompanhando no instagram. Tenho que confessou, estou apaixonada pelo produtos da marca, eles possuem calçados ousados e criativos, tudo a ver com o que as fashionistas estão usando. Então, logo tiver certeza que queria trabalhar com essa marca. O primeiro produto que recebemos, foi um modelo de Oxford (demais produtos, chegam no próximo mês). Então, resolvi falar um pouco mais sobre a história do modelo e dicas de como inclui-lo em seus looks no dia-a-dia. 

Para quem não conhece, o Oxford é um sapato fechado, de amarrar parecido com tênis, mas com toque meio masculino. Para efeito de curiosidade, o sapato ganhou esse nome após virar febre entre estudantes da Universidade de Oxford, na Inglaterra, por volta do século 17. O calçado foi por muito tempo considerado masculino, sendo associado ao conservadorismo. Mas, nos últimos anos ele voltou com uma interpretação nova e em versões femininas, com saltos altos e tratorados.

O que mais gosto nesse modelo é que podemos combinar com peças mais românticas, delicadas, estampas florais, vestidos e saias evasês, dando um toque descontraído e descolado aos looks! Outro ponto, é que no período primavera/verão, com a tendência metalizado em alta, esse sapato também está surgiu nas cores prata e dourado. Logo, esse modelo está se tornando peça chave para it girls usaram até no verão com roupas bem levinhas.

Primeiramente, recebemos esses dois modelos e claro, já separei um par de cada pra mim (em breve tem post de look do dia). Eu adorei o acabamento dele, com muitos detalhes na costura e com o cabedal em verniz, o que o torna bem fácil de limpar. Sem contar que no calcanhar ele possui aquela espuma, chamada banana, conhecem? E o torna super confortável. :) Logo iremos receber em prata! 

Para mostrar o quanto o calçado é versátil e combina com looks casuais, despojados e até para usar no trabalho, separei algumas inspirações. Confere aí!

Agora me contem, vocês gostam do modelo Oxford? E qual cor vocês preferem, nude, preto, prata, dourado, marrom? Deixem aí nos comentários! Grande beijo, Fran.

Se quiser me acompanhar nas redes sociais:

Snap: franciklein @blogdelirioscotidianos Youtube

Aleatoriedades: Por um único singelo momento tudo para

Já faz algum tempo, postei uma foto no insta dizendo o quanto sentia falta de quem eu era antigamente, muitos comentaram para voltar ao que era antes, se aquilo me fazia feliz. Fiquei me perguntado semanas sobre isso, mas como assim? Estamos em constante mudança e existem fases que não voltam mais. Aquele período da minha vida era extremamente feliz, principalmente pelos amigos que faziam parte dos meus dias. Acontece que sem que possamos controlar, cada um segue sua vida, sai em busca de seus sonhos e a gente se distancia. Podemos prometer que a amizade nunca mudará, mas querendo ou não, acabamos mudando e com isso os jovenzinhos rebeldes, goodvibes da adolescência já não são mais tão tranquilos, já tem uma vida adulta para levar, contas a pagar, família para cuidar, casa, faculdade, carro e tudo. Que fique claro, isso é só uma reflexão, o fato de amar quem eu era, não significa que não sou feliz com o que me tornei. Apenas os problemas de hoje se tornaram maiores que os daquela época.


Essa semana, revirando as minhas coisas, achei um texto dessa minha época de libertinagem. Eu adorava copiar textos que as vezes me enxergava como personagem principal nessas histórias e hoje resolvi compartilhar com vocês, um texto de autor desconhecido, sem muito sofisticação, mas significa muito pra mim pelas lembranças que trás. :)

"Acho que ela não me deixaria ficar se soubesse das minhas intenções mais íntimas. A sua insegurança pode ser tanto o motivo pelo qual é tão cautelosa quanto a linha tênue que separa o seu cuidado do medo. E o seu medo devora lentamente cada uma das suas entranhas e repuxa seus lábios num sorriso sádico e tranca a casa com cadeado, aviso formal de despejo para ninguém ousar chegar perto. Doutor, essa moça tem apatia amorosa. Ou ela finge tão bem que não quer ninguém que a gente acredita. Oscar pra ela! Ela tropeça desajeitada o tempo todo. Cai de amores pra lá e pra cá, mas levanta rápido, confere os arranhões e o que der pra cobrir com o casaco ela cobre. Sai andando no meio da multidão como se nada tivesse acontecido. E quando perguntam como foi seu dia, ela diz que foi bom. Bom é uma boa resposta pra ela. Evita perguntas inconvenientes e fofoqueiros de plantão. Evita que a fobia social se desenvolva mais ainda e ela começa a tropeçar nos próprios cadarços. Que diga-se de passagem, ela não sabe amarrar direito. Ah, doutor, mas ontem à noite ela deitou no meu divã. Aconchegou no meu peito e tremia toda. Pediu pra ver um filme de terror e escolheu um romance qualquer. Enroscou as pernas algumas boas vezes e deixou pra lá as tentativas de ter a sensualidade de alguma stripper de filme americano. Ela não era boa em dar continuidade nas coisas, nunca terminava o que começava. Ô doutor, será que vou conseguir para de analisar essa menina?"

Se souberem de quem é esse texto, me avisem nos comentários. Grande beijo, com carinho, Fran.

Se quiser me acompanhar nas redes sociais:

Snap: franciklein @blogdelirioscotidianos Youtube