Mulheres que inspiram: Elizabeth Cochran

em 10 de outubro de 2018

Elizabeth Jane Cochran conhecida pelo pseudônimo Nellie Bly, nasceu em 5 de maio de 1864 na cidade de Cochran's Mills, na Pensilvânia. A cidade foi nomeada por seu pai, o juiz Michael Cochran. Quando criança, Elizabeth era conhecida com "pink", pois sua mãe adorava vestir a menina com roupas da cor. Seu pai faleceu quando tinha apenas 6 anos de idade e três anos depois sua mãe casou-se com um homem que era muito abusivo, o que acabou em um sofrido processo de divórcio que deixou a família com algumas dificuldades. Seu sonho era tornar-se professora, no entanto conseguiu passar apenas um semestre na escola, pois não podia pagar as mensalidades.


Em janeiro de 1885, Nellie leu um editorial no The Pittsburgh Dispatch intitulado "What Girls Are Good For". O artigo advertiu as mulheres por até mesmo tentarem ter uma educação ou carreira, sugerindo que não deveriam se afastar das tarefas de casa. Isso enfureceu Elizabeth ao ponto de escrever uma resposta contundente que ela assinou "Little Orphan Girl". O editor de despachos George Madden ficou tão impressionado com a resposta que colocou um anúncio para a Little Orphan Girl visitar o jornal. Quando Elizabeth se apresentou a Madden, o editor lhe ofereceu a oportunidade de escrever uma peça de refutação para ser publicada. Elizabeth foi para casa e escreveu seu primeiro artigo de jornal "The Girl Puzzle". Impressionado novamente, Madden ofereceu a Elizabeth um emprego em tempo integral escrevendo sob o nome de Nellie Bly (o título de uma canção popular de Stephen Foster).

Na época, as mulheres que trabalhavam nos jornais quase sempre escreviam artigos sobre jardinagem, moda ou sociedade. Nellie Bly evitou esses tópicos por histórias difíceis sobre os pobres e oprimidos. Com base na experiência de sua mãe, ela escreveu sobre as desvantagens inerentes que as mulheres tinham no processo de divórcio. Ela também escreveu numerosos artigos sobre a vida de mulheres pobres que trabalhavam nas fábricas de garrafas de Pittsburgh. Os artigos de Nellie fascinaram os leitores, mas atraíram críticas da comunidade empresarial. Quando as empresas ameaçavam atrair publicidade do Dispatch por causa de seus artigos, Nellie foi designada para uma história de jardinagem. Quando ela entregou o artigo, ela incluiu sua renúncia.

Posteriormente Nellie foi uma viagem de seis meses ao México. Ela escreveu sobre suas viagens para Madden, que publicou seus relatórios no Despacho. No entanto, o que começou como um diário de viagem logo se transformou em uma crítica contundente do governo mexicano. Quando ela relatou sobre o presidente Porfirio Diaz, que aprisionou uma jornalista por criticar o governo, Nellie logo se viu ameaçada de prisão e deixou o país. Suas contas mais tarde seriam coletadas no livro Six Months In Mexico.

Nos Estados Unidos, Nellie decidiu que seu próximo destino seria Nova Iorque. Em 1887, Nellie chegou a Nova Iorque na esperança de conseguir um emprego em um grande jornal, mas nenhum foi oferecido. Após quatro meses de rejeição, e quase sem dinheiro, ela abriu caminho até o escritório de John Cockerill, editor-chefe do jornal The New York World, de Joseph Pulitzer.

Determinada a não ir embora sem trabalho, Nellie acabou sendo designada para ficar escondida como paciente no notório manicômio da ilha de Blackwell e relatar em primeira mão sua experiência. Nellie convenceu os médicos e juízes de que ela era louca e estava comprometida com o asilo. Ela suportou condições imundas, comida estragada e abuso físico de médicos e enfermeiras por dez dias antes de um agente ir resgatá-la. Os artigos de Nellie "Behind Asylum Bars" e "Inside The Mad-House" criaram um alvoroço em Nova Iorque. Depois que novas investigações foram lançadas, as autoridades de Nova Iorque forneceram mais dinheiro e uma mudança no atendimento às pessoas no manicômio. Nellie Bly chegou.

Nellie passaria os próximos anos escrevendo artigos para o mundo. Ela foi pioneira no campo do jornalismo investigativo. Muitas vezes ficando escondida, ela expôs lobistas corruptos no governo, acompanhou a situação de bebês indesejados, relatou as condições para trabalhadores pobres em fábricas de fabricação de caixas e muito mais. Nellie estava se tornando tão popular que o mundo usava o nome dela na manchete da história. As pessoas não podiam esperar para ver o que Nellie Bly estava fazendo a seguir.

A história mais famosa de Nellie começaria em 1889. Ela propôs viajar ao redor do mundo mais rápido do que o personagem de Júlio Verne no livro Volta ao Mundo em Oitenta Dias. Os editores do The World estavam cautelosos com a ideia. As mulheres não viajavam sem acompanhantes, elas carregavam muita bagagem. No entanto, Nellie Bly pisou sozinha no transatlântico Augusta Victoria em 14 de novembro de 1889 carregando apenas duas pequenas mochilas.

Nellie viajou pelo mundo indo para o leste de Nova Iorque. Sua jornada a levou da Inglaterra para o Egito, Ceilão, Cingapura, Hong Kong e Japão antes de voltar para os Estados Unidos. Durante uma parada na França, Nellie conheceu o próprio Júlio Verne, que a encorajou a quebrar seu próprio disco - ficcional! Enquanto isso, para manter vivo o interesse pela viagem de Nellie, The World promoveu um jogo de adivinhação muito popular para sua hora de chegada.

Nellie voltaria para o solo americano em São Francisco. Ela então embarcou em um trem que a levou por todo o país. Em 25 de janeiro de 1890, Nellie Bly chegou de volta ao seu ponto de partida; setenta e dois dias, seis horas, onze minutos e quatorze segundos após a partida. Nellie era agora uma celebridade internacional muito popular. No entanto, para sua surpresa, The World não ofereceu a Nellie um bônus, apesar do aumento de circulação que ela havia criado. Perturbada com o truque, Nellie Bly se demitiu do jornal.

Em 1893, um novo editor do The World convenceu Nellie a voltar. Em 17 de setembro, a manchete "Nellie Bly Again" apareceu na primeira página do The World. Nos três anos seguintes, Nellie voltou com artigos sobre a corrupção policial, a violenta greve dos trabalhadores Pullman e uma entrevista com a notável sufragista Susan B. Anthony, entre outras.

Nellie Bly faleceu em 27 de janeiro de 1922 de pneumonia, tendo continuado a escrever sua coluna até sua morte. No dia seguinte, o Evening Journal publicou uma homenagem ao repórter pioneiro, declarando Nellie Bly "The Best Reporter In America".

Espero que tenham gostado do post! Grande beijo e até a próxima, Franci.

4 comentários:

  1. adorei muito saber mais da historia dela, em tempos como esses historias de mulheres inspiradoras assim caem muito bem

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Lívia! Fico feliz que tenha gostado. :)

      Excluir
  2. Não a conhecia, mas achei a história dela bem inspiradora!

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que achaste inspiradora, ela com certeza foi uma mulher para ser lembrada. :)

      Excluir

Social Network



Instagram

Topo