Resenha: Jurassic World - O Mundo dos Dinossauros


Sempre fui fã de dinossauros e quando era pequena sabia quase todos os nomes de espécies e suas respectivas características, assisti inclusive aos outros três filmes que antecederam Jurassic World. Daí que por uma certa nostalgia vim rever minhas saudades com esse lançamento. Não, não me decepcionei. Jurassic World acontece depois de duas décadas do fim de Jurassic Park, tudo com muito mais tecnologia e pelo que era previsto, muito mais segurança. O parque enfim reabriu depois de todos os conflitos anteriores, há novas experiências para as pessoas já que os dinossauros estão sendo constantemente domesticados.

Mas, como há sempre um "mas", a equipe chefiada pela doutora Claire (Bryce Dallas) está modificando genes para criar novas espécies, e numa dessas tentativas criam a Indominus Rex, uma mistura de T-Rex com mais alguns genes em sigilo. O que não sabem é que ao tentar criar um dinossauro mais assustador, mais ágil, mais incrível que os outros acabaram por criar algo não tão bom assim. Nisso tudo, Gray (Ty Simpkins), o garotinho que entende tudo de dinossauros e Zach (Nick Robison), o irmão pré-adolescente chato, viajam para conhecer o paraíso dos dinossauros e de quebra passar um tempo com a tia Claire, porém nem imaginam tudo o que pode vir a acontecer.

A fêmea geneticamente modificada, Indominus Rex, começa a dar uma de esperta demais para um simples animal e as coisas no parque retornam a ficar drásticas novamente. Entre 22 mil pessoas passeando pela Ilha Nublar e uma espécie de dinossauro do futuro correndo solta e matando ou devorando tudo por onde passa está Claire e Owen (Chris Pratt) em busca dos sobrinhos perdidos e de um "monstro" com instintos sem reconhecimento ainda. Owen, o adestrador de Velociraptors, é o mocinho da trama e Claire em seus sapatos de salto consegue se tornar uma heroína mesmo praticamente sabendo só correr dos animais.

Enfim, em Jurassic World a tecnologia e o mundo da década que vivemos é aflorado. Não pode se esperar os mesmos gráficos dos antigos Jurassic Park, já que o desenvolvimento aqui é bem mais real. Há coisas bizarras no filme e li muitos julgamentos por aí, como a menção de dinossauros domesticados em guerras (que Vincent D'Onofrio faz com seu personagem irritante) ou o fato do animal ser tão inteligente a ponto de enganar as máquinas de sua presença, inventar maneiras de escapar e inclusive arrancar seu sensor. No mais, digamos que a trama envolve aquela típica sensação de futuro versus passado, onde quem ganha sempre é o presente. Na minha opinião, vale a pena assistir, tanto Jurassic World como os antigos Jurassic Park, pois se nota a evolução do cinema, tal como se aprende a apreciar cada época.

Elenco Principal:



Trailer do filme:



Espero que tenham gostado.
Beijos, Fran.

Nenhum comentário:

Postar um comentário